pensar processual, olhar orgânico

pesquisa &
desenvolvimento

Goetheanismo: estudo, diagnóstico ou pesquisa da realidade pelos fenômenos, processos e arquétipos, de modo sempre novo & aberto a sutis qualidades e inesperados desdobramentos do saber em novas metodologias, praticabilidades e tecnologias.

1º projeto: etapas de elaboração da ART, agricultura regenerativa tropical

Segue um exemplo do Goetheanismo como (i) metodologia de diagnóstico aplicado e como (ii) exercício de criativas-soluções, compondo inovações necessárias para um desafio:

1 – O desafio

“Como seria uma nova agricultura tropical fundamentada na Antroposofia, capaz de produzir alimentos vitalizados em tempos de mudanças climáticas e que possa motivar os agricultores a praticá-la?”

Sobre as etapas a seguir: após anos de diagnóstico definiram-se novas tendências e novos objetivos, pela elaboração dos processos mais relevantes. Os objetivos ensejaram a escolha dos instrumentos (tecnologia de processos) para realização da nova agricultura. Segue uma descrição de algumas etapas da fase criativa, de modo súper-resumido (!) facilitando a visão de conjunto desta elaboração:

2 – Preparativos: fundamentos do diagnóstico e da busca por soluções

Nesta etapa preliminar, escolhe-se o modo de abordagem da questão colocada, buscando os autores que demonstraram visão mais profunda e consistente diante de “sistemas vivos”. Aqui a questão é: quem demonstrou alçada na lida com paisagens e sistemas de produção integrada? Quais autores são propositivos e não apenas críticos?

  • Visão integrativa de Rudolf Steiner; vitalidade dos alimentos;
  • Olhar orgânico de Goethe para os cultivos e as paisagens;
  • Agricultura exitosa no trópico: agrofloresta, de Ernst Goetsch;
  • as outras Agriculturas … parcialmente também; pragmatismo;
  • Tradições indígenas da américa latina: poli-cultivos, consórcios;
  • Novas gerações com novas posturas de consumo e escolhas claras.

Observações: aqui consideramos os consumidores uma fonte de criativa orientação, como se fossem um autor, permitindo que apontem para tendências de evolução da sociedade, tornando-os norteadores da qualidade de origem dos alimentos.

3 – Fatos relevantes: percepção ampla dos recursos/processos decisivos

Estão enumerados os vetores decisivos para o fortalecimento de uma nova agricultura, sem olhar para trás, sem recorrer a antigos sucessos ou opiniões majoritárias; foco apenas nos vetores e nas tendências que levarão a uma solução durável:

  • Manancial de vitalidade está nas florestas: árvores, água, clima, mutualismo;
  • Potencial regenerativo das paisagens tropicais brasileiras: crescimento arbóreo-arbustivo expressa a alma das paisagens & forças planetárias;
  • Enfrentamento das mudanças climáticas: emergencial = dar conforto fisiológico para as plantas; longo prazo = produção comercial & sequestro de carbono;
  • Novos consumidores: veganos, amor e compromisso com os animais, ênfase em produtos vegetais, interesse pelas paisagens; prontos para virada climática;
  • Evitar uso excessivo de insumos, acionar mais as tecnologias de processo;
  • Agricultores no século 21: agricultor confia em agricultor.

Observações: parte das percepções apontam também para tendências de um futuro próximo, de clima, consumo e economia associativa.

4 – Processos predominantes do atual desafio (presente)

Os desafios do presente e do futuro: (médio prazo) um olhar processual para atuais desafios, no mundo todo (em especial no Brasil), tornando-os linhas mestras para o novo método.

  • Tropicalização progressiva das faixas climáticas (mudanças climáticas);
  • Aumento de estiagens e chuvas de enxurrada; perdas de solo (!)
  • Sucessivas perdas de safra na agricultura de sequeiro;
  • Paisagens exibem uma “erosão de vitalidade” e uma intoxicação mortal;
  • Gradual perda do conforto fisiológico de cultivos; migração de culturas;
  • Uso excessivo de insumos, também pela agricultura orgânica;
  • Necessidade por poupança-verde na forma de madeiras de lei;
  • Alimentos sem agrotóxicos ainda não oferecem vitalidade necessária;
  • Agricultura pode assumir a ‘responsa’ de revitalizar as áreas produtivas.

Observações: o novo método terá que ser configurado para ser apto a enfrentar diversos problemas simultaneamente, deverá convencer pela amplitude do seu alcance.

5 – Atributos necessários (longo prazo) para uma nova agricultura tropical:

Seguem os componentes de uma nova forma de produzir alimentos que consiga atender as diferentes demandas que compõem o desafio: Como seria uma nova agricultura tropical fundamentada na Antroposofia, capaz de produzir alimentos vitalizados em tempos de mudanças climáticas e que possa motivar os agricultores a praticá-la?

O que pede a paisagem?

  • Regeneração dos solos, aumento do teor de húmus;
  • Dilatação do tempo de residência da água nas paisagens, no organismo agro-florestal;
  • Proteção aos ventos e abundância arbóreo-arbustiva; faixas florestais produtivas;
  • Superação do estágio agro-savânico (alastrantes e capins);
  • Apoio a processos: equilíbrio do microclima e do clima regional;
  • Biodiversidade de insetos, especial consideração às abelhas.

O que pedem os cultivos?

  • Proteção à fotossíntese, desinibição da transpiração;
  • Conforto fisiológico em todas fases de cultivo;
  • Rica associação de plantas companheiras em poli-cultivos;
  • Equilíbrio planetário nas forças formativas da organografia;
  • Acabamento fisiológico, evitando-se qualquer excesso de nitrogênio.
  • Favorecimento da vitalidade das plantas e suas colheitas.

O que buscam os consumidores?

  • Qualidade dos alimentos: vitalidade e equilíbrio nutricional;
  • Preços acessíveis, comercialização justa e solidária;
  • Influenciar a produção de alimentos pelo consumo;
  • Veganismo atuante, proteger os animais, proteger a natureza;
  • Frutas, saladas, legumes, tubérculos, raízes, cereais, nozes etc;
  • Apoiar sistemas de produção capazes de prestar serviços ambientais; contribuir para virada climática.

O que buscam os agricultores?

  • Retorno para os investimentos necessários, maior segurança;
  • Enfrentamento prático de estiagens e enxurradas;
  • Mecanização progressiva, facilitando a produção em escala;
  • Maior proximidade e comprometimento dos consumidores;
  • Retorno sobre prestação de serviços ambientais.

Observações: com base nestes atributos, incluindo ainda outras pesquisas, foi escrito um novo método de cultivo, que está sendo demonstrado, em caráter experimental, na região centro-oeste do estado de São Paulo. São autores do método ART: Cristiano Petterssen, Manfred v. Osterroht e Richard Charity. Para saber mais sobre o método ART, acesse a pagina: www.regenerativa.art.br

Para fazer comentários, escreva para manfred@hollon.com.br

 

parceiroO que é ART?… uma resposta prática ao aquecimento global
… por que não basta alimento sem-agrotóxico
… paisagens produtivas precisam ser sadias
… repletas de árvores, sequestrando carbono
… agricultura regenerativa tropical !

X